DPVAT 2018: entenda tudo sobre o seguro DPVAT 2018

Você sabe o que é DPVAT 2018? Sabe como, onde e por que pagar?

O seguro obrigatório deve ser pago anualmente junto ao IPVA ou ao primeiro licenciamento. No entanto, infelizmente, não são todos os motoristas que entendem a importância de manter em dia o pagamento do DPVAT 2018.

Além de correr o risco de ter que arcar com todas as despesas em caso de acidente no trânsito, o condutor ainda pode receber uma multa alta e ter seu carro apreendido.

Para evitar essa dor de cabeça, continue em nosso artigo para entender tudo que você precisa saber sobre o seguro DPVAT 2018. Acompanhe!

O que é o seguro DPVAT?

  • DPVAT é sigla para Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, um seguro obrigatório que, desde 1974 indeniza vítimas de acidentes de trânsito, independente de culpa.
  • O seguro DPVAT APENAS COBRE três tipos de indenização:
  • reembolso de despesas médicas e suplementares;
  • invalidez permanente;
  • Qualquer pessoa que sofra um acidente provocado por veículos automotores (carro de passeio, motos, caminhões, ônibus, lotação com cobrança de frete, ciclomotores), ou seus beneficiários (em caso de morte da vítima) dentro do território nacional, tem direito de receber o seguro, seja ele condutor, passageiro ou pedestre.

Como e onde pagar o DPVAT 2018?

  • O boleto de pagamento, diferente do IPVA, não é enviada a residência do contribuinte.
  • Dependendo do seu Estado, é possível emitir o guia de pagamento no site do DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito) ou ir até uma agência bancária conveniada informando número da placa do veículo e do RENAVAM.
  • Em todo o caso, para pagar o seguro DPVAT 2018 e garantir a indenização em caso de acidente de trânsito, você só vai precisar:
  • Entrar no site da Seguradora Líder;
  • Situar o Estado de sua residência no mapa;
  • Escolher entre 1ª Licenciamento, Usados ou isentos do IPVA.
  • Para veículos ISENTOS de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), o vencimento do DPVAT ocorre junto ao licenciamento anual ou emplacamento.
  • Cada Estado tem a indicação de onde pagar o seu DPVAT (se no DETRAN, agência bancária ou pelo próprio site da Seguradora).

Quando deve ser pago o seguro DPVAT?

O DPVAT deve ser pago anualmente junto a primeira parcela ou parcela única do IPVA. As datas dependem de cada Estado e dos números finais da placa do veículo, mas geralmente começa em janeiro.

O valor do DPVAT 2018 varia de acordo com a categoria em que se encontra o veículo. Já o valor das indenizações que o seguro paga é de R$ 13.500 em caso de morte, até R$ 13.500 para invalidez permanente, e até R$ 2.700 para despesas médicas.

O que acontece se não pagar?

Quem não pagar o seguro DPVAT 2018 estará sujeito a multas e apreensão do veículo. Isso acontece porque o proprietário precisa pagar o seguro para obter o CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo).

Ser flagrado dirigindo sem o documento é considerado infração grave pelo Código de Trânsito Brasileiro.

Além disso, sem o pagamento do seguro, o motorista é quem terá que arcar com todas as despesas, em caso de acidente com vítimas.

Para onde vai o dinheiro arrecadado do DPVAT?

Os valores arrecadados anualmente do seguro DPVAT 2018 são distribuídos de três maneiras:

  • 50% para pagar indenizações e operações administrativas;
  • 45% para o Fundo Nacional de Saúde (FNS), a fim de custear as despesas dos acidentados;
  • 5% para o Denatran, para desenvolver programas de prevenção a acidentes.

Lembrando que o DPVAT apenas COBRE vítimas de acidente de trânsito. Danos materiais, acidentes de trem ou multas e tributos da vítima ficam de foram da cobertura.

Este artigo sobre o DPVAT 2018 foi útil para você? Então não deixe de compartilhar em suas redes sociais e ajudar seus amigos a entender tudo sobre esse seguro obrigatório.

DPVAT O que é? Saiba tudo sobre o Seguro DPVAT

Você já ouviu falar do seguro DPVAT? Ele é um seguro ao qual todas as vítimas de acidentes causados por veículos automotores têm direito. Vamos conhecer!

 

O que é o Seguro DPVAT?

DPVAT o que é o seguro garantido por lei a todas as vítimas de acidentes ocasionados por veículos automotores, ou por sua carga ocorridos em vias terrestres.

Tanto o motorista, como seus passageiros e até mesmo os pedestres, e seus beneficiários tem direito a receber a indenização do seguro DPVAT, em caso de morte ou danos.

As indenizações do seguro DPVAT são pagas individualmente e não dependem da apuração dos culpados.

 

Quem tem direito ao seguro DPVAT?

Tem direito a indenização às vítimas de acidentes de trânsito, por morte ou invalidez permanente total ou parcial, e também do reembolso das despesas hospitalares e médicas.

Porém o seguro DPVAT não paga indenizações para prejuízos a bens materiais que ocorram por motivo de roubo, furto, colisão ou incêndio ocorridos com o veículo, bem como também não paga indenizações decorrente de ações judiciais.

A cobertura desses riscos precisa ser contratada de forma espontânea pelos proprietários de veículos nas seguradoras, normalmente por meio de um corretor especializado.

 

Conheça as coberturas do seguro DPVAT

O seguro DPVAT possui três tipos diferentes de coberturas, sendo:

  1. Cobertura em caso de morte;
  2. Cobertura invalidez permanente total ou parcial
  3. Cobertura de reembolso por despesas hospitalares e médicas

 

Como dar entrada no seguro DPVAT

Para receber o seguro DPVAT a vítima precisa solicitar a mesma em até três anos a partir da data do acidente. Não é necessário intermediário para entrar com o pedido de indenização, o próprio beneficiado pode solicitar o seguro.

Documentos necessários

A documentação necessária vai depender o tipo de cobertura que você deseja acionar em seu seguro DPVAT, em geral você vai precisar apresentar:

  • Boletim de Ocorrência e/ou Certidão de ocorrência policial;
  • Autorização de pagamento do Crédito indenização;
  • Carteira de identidade ou documento de identificação válido da vítima;
  • Carteira de identidade ou documento substitutivo dos beneficiários;
  • Comprovante de residência atualizado da vítima e dos beneficiários;

 

Quando a indenização for por morte ou invalidez, ou solicitação de reembolso de despesas médicas ou hospitalares, é necessário apresentar outros documentos adicionais que comprovem o ocorrido, conforme abaixo:

1.      Indenização por morte

  • Certidão de óbito da vítima;
  • Certidão de auto de necropsia ou laudo cadavérico, conferido pelo Instituto Médico Legal;

 

2.      Indenização por invalidez

  • Laudo do Instituto Médico Legal – IML;
  • Boletim de atendimento hospitalar ou ambulatorial;

 

3.      Reembolso de despesas médicas ou hospitalares

  • Relatório do médico assistente
  • Comprovantes originais das despesas médicas e hospitalares
  • Relatório do dentista (se for o caso)

 

Como já falamos o seguro DPVAT o que é, é um direito de todo brasileiro, e muitas pessoas ainda desconhecem a suas características e acabam por não solicitar o seguro em tempo hábil, perdendo o benefício.

E você já se envolveu em algum acidente de transito? Agora você já sabe que pode contar com o Seguro DPVAT caso algum acidente venha a acontecer.

DPVAT moto: Guia Para Você Entender do Assunto

Quem deseja estar em dia com o DPVAT moto precisa conhecer as informações sobre o seguro para não ter problemas futuros.

Todo proprietário de veículo (carro, ônibus, caminhão, moto) precisa pagar o DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores). Trata-se de um seguro obrigatório pago junto ao IPVA ou em cota única, que serve para indenizar vítimas de acidente de trânsito em território nacional.

Neste artigo você vai ficar por dentro do DPVAT moto que, diferente de outros seguros, indeniza apenas em caso de danos físicos. Acompanhe!

Por que devo pagar o DPVAT?

É importante pagar o DPVAT anualmente para que, em caso de acidente com o motorista, passageiro e/ou pedestre, as vítimas possam ser indenizadas. A indenização é independente de quem tenha sido a culpa do acidente.

O DPVAT é administrado pela Seguradora Líder desde 2008 e tem a função de cobrir reembolso de despesas médicas e suplementares, invalidez permanente e morte.

Apesar de obrigatório, o proprietário que não pagar o seguro, também não será multado por isso. No entanto, em caso de acidente, terá que arcar com todas as despesas de forma integral, além de outra consequência: não receberá o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV).

Sem o CRLV, os motoristas podem ser multados e ter seus carros apreendidos, da mesma forma que acontece caso não pagar o IPVA. Ou seja, de um jeito ou de outro, é melhor pagar o DPVAT.

Já para quem é isento do IPVA, o pagamento do DPVAT é realizado junto ao emplacamento ou licenciamento anual.

Como funciona o DPVAT moto?

Assim como acontece com qualquer outro veículo, o DPVAT moto precisa ser pago anualmente junto ao IPVA ou no dia do licenciamento ou emplacamento.

Se acontecer um acidente, a vítima ou o beneficiário tem até 3 anos para entrar em contato com um dos postos de atendimento da Seguradora e garantir a indenização.

Para isso, basta entrar no site, escolher o Estado de sua residência e a situação do veículo (1º licenciamento, usado ou isento de IPVA). Depois, é só pagar nos bancos listados na Seguradora.

Valor do DPVAT moto

 

Diferente daqueles que possuem outros veículos, os motociclistas precisam pagar um valor mais alto para continuar circulando com as suas motos: R$ 185,50, um valor mais baixo que o ano anterior e, por isso, não é permitido parcelar em até três vezes o pagamento.

O valor mais alto tem justificativa. Segundo as estatísticas da Seguradora Líder no ano de 2015, há um maior percentual de pedidos de indenização referente ao DPVAT moto: 76% contra 19% dos acidentes envolvendo outros carros.

Além disso, só na região norte, 60% de todos os casos de acidentes por moto resultaram em morte, e 83% das indenizações por invalidez no Brasil.

Isso significa que o valor do DPVAT está relacionado com o maior risco que um veículo tem de causar ou se envolver em acidentes, e não com o porte deles.

Portanto, pagar o DPVAT moto garante indenizações às vítimas do trânsito, mas também garante que o motociclista possa continuar nas estradas sem ser multado pela falta do CRLV.